Posts

FIQUE POR DENTRO DA NOVA PORTARIA FARMÁCIA POPULAR

Nº 111 DE 28 DE JANEIRO DE 2016

Em 29 de Janeiro de 2016 o Governo estabeleceu novas regras ao Programa do Farmácia Popular através da Portaria nº 111 que entrará em vigor em 12/02/2016.

Estaremos destacando as principais mudanças;

COMPLEMENTAR O ENDEREÇO

Como já é de conhecimento, a dispensação do medicamento só pode ocorrer mediante a informação do endereço completo do paciente no ato da venda, o não comprimento poderá acarretar multas ou o descredenciamento ao Programa do Farmácia Popular.

A partir do dia 12/02/2016 com a ciência do beneficiário, o farmacêutico poderá complementar as informações referentes ao endereço do paciente que eventualmente não tenham sido disponibilizadas pelo profissional prescritor na prescrição, laudo ou atestado médico, conforme legislação.

AUMENTO DO PRAZO DE VALIDADE DA RECEITA

As receitas que possuíam validade de 120 dias passarão a ter validade de 180 dias após sua emissão, exceto para os contraceptivos, cuja validade é de 365 dias.

ALTERAÇÕES DOS PREÇOS DE REPASSE POR PRINCÍPIO ATIVO

Alguns princípios ativos mudaram o preço referência, a criticidade está nos medicamentos que são 100% subsidiados e tiveram reajuste, para que ocorra a autorização destes medicamentos será necessário reconfigurar o valor dos mesmos no sistema Tier.

 ACESSE AQUI as informações disponibilizadas pela Trier, com o passo-a-passo para realizar as alterações dentro do seu sistema.

Para ter acesso completo à da Portaria nº 111 de 29/01/2016, clique aqui.

 

Atenciosamente,

A importância de investir na farmácia para crescer

Considerando o momento econômico que estamos atravessando, e percebendo a luta das empresas pela sobrevivência e perpetuação no mercado, incluindo farmácias, falar da necessidade de investimentos que propiciem crescimento pode parecer, a princípio, contradição e utopia.

No entanto, destaca-se o fato de que, se não houver essa preocupação de crescer, no direcionamento das ações operacionais e estratégicas de qualquer empreendimento, podemos sacramentar a falta de condições para continuar existindo.Investir na empresa significa oferecer condições para que esta esteja cada vez mais preparada para novos desafios quando a economia voltar a aquecer – trazendo aumento de concorrência no segmento, diferenciais nas ações de vendas e no atendimento do pós-vendas, inovações tecnológicas de produtos ou serviços, e guerra de preços, entre outras situações.

Nesse caso, investimento necessariamente não representa tão somente colocar mais dinheiro no caixa, mas também a atualização dos gestores com informações relacionadas ao produto/serviço, o mercado de atuação (clientes, concorrentes, fornecedores, parceiros, colaboradores, etc.), e tendências de comportamento da economia – inclusive considerando cenários políticos que interferem diretamente no ambiente econômico.

O “crescer” em uma empresa pode ser percebido mais com o ganho de forças e poder de competitividade do que com o aumento do espaço físico, número de pessoas, quantidade de máquinas, etc. Na realidade, o crescimento está mais relacionado ao aumento do volume de produção e de vendas e/ou prestação de serviços. Esses são alguns dos fatores que realmente vão proporcionar maior geração de lucro no negócio.

Ao crescer, o empreendimento demonstra, acima de tudo, a capacidade gerencial das pessoas à frente do comando das atividades operacionais – principalmente, da formulação das estratégias de atuação da empresa no mercado, sendo uma delas a própria definição da utilização do lucro gerado no momento presente. Ou seja, ter o lucro como uma das reservas de recursos financeiros que subsidiarão o crescimento planejado da organização.

Com isso, a importância de investirmos no crescimento da empresa, quer com o seu próprio lucro, quer com capital dos sócios ou mesmo com recursos de terceiros, fundamenta-se no objetivo de que ela desenvolva mais forças competitivas, permaneça por mais tempo em atividade e conquiste maior participação das vendas totais no mercado onde atua.

20 DE JANEIRO – DIA DO FARMACÊUTICO

Nossa homenagem a todos os profissionais que lutam diariamente por uma melhor qualidade de vida. Profissionais estes, que não trabalham apenas com medicamentos, mas sim, com a saúde e o bem-estar da sociedade.

Parabéns a todos os Farmacêuticos!

Obrigatoriedade da NFC-E – Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica no estado do Paraná


Prezados Clientes,
Conforme a Resolução Nº 145/2015 do SEFAZ do estado do Paraná, todos os estabelecimentos farmacêuticos que se enquadrarem nas normas da resolução em questão, terão a obrigatoriedade de utilizar NFC-e a partir de janeiro de 2016.

O estabelecimento que não adequar-se a esta normativa, estará sujeito a penalidades legais junto ao fisco do estado.

A Trier Sistemas disponibiliza de um módulo próprio para emissão e validação das notas fiscais consumidor eletrônicas (NFC-e), que lhe auxiliará com as obrigações impostas pela resolução 145/2015.

Adquira a NFC-e da Trier Sistemas e evite que seu estabelecimento seja penalizado.

Caso tenha interesse, entre em contato conosco através do link: http://conteudo.triersistemas.com.br/normas-nfc-e

Obs: Se você já utiliza o NFC-e, desconsidere essa mensagem.
Fonte: Dpto de Marketing.

OUTUBRO ROSA – NÓS APOIAMOS ESSA CAUSA

Outubro é o mês da luta contra o câncer de mama, também conhecido como OUTUBRO ROSA. Uma causa nobre e que merece todo o nosso apoio.

Quanto maior forem as informações e os alertas em relação à doença, mais vida serão salvas pela prevenção. Compartilhe essa ideia!

‪#‎OutubroRosa‬ ‪#‎CausaNobre‬ ‪#‎NósApoiamos‬

 

 

LANÇAMENTO: TRIER RECEITA DIGITAL

Sua farmácia está preparada para receber auditorias?

Ontem quarta-feira (30/09) lançamos o Trier Receita Digital, onde você armazena toda sua documentação em um único lugar. Basta realizar a digitalização e enviar para o banco de dados disponibilizado pela Trier Sistemas.

É fácil, rápido e prático. Desta forma, sempre que houver uma auditoria em sua farmácia, você terá certeza de que toda a documentação necessária se encontra em um único lugar de fácil acesso. Totalmente integrado ao seu ponto de venda. Além do computador, o Trier Receita Digital pode ser acessado de qualquer dispositivo móvel, em qualquer lugar e a qualquer momento.

TRIER E A FAMÍLIA

Na última quinta-feira recebemos em nossa empresa os familiares de alguns de nossos colaboradores. O objetivo é fazer que eles sintam-se parte fundamental da Família TRIER, garantindo total apoio de seus familiares nesse processo. Agradecemos nossos profissionais e seus familiares por participarem e tornarem esse momento especial.

#TriereaFamília #SomosTodosTrier

 

A “cara” que a farmácia deve ter

Pedagoga, psicóloga educacional e empresarial, com cursos de extensão na Universidade de Sorbonne, na França, Silvia Osso é uma das mais requisitadas consultoras do varejo farmacêutico, além de palestrante nacional e internacional. Por 25 anos, atuou no setor de Desenvolvimento de Pessoas na rede Drogasil. E hoje tem entre seus clientes algumas das maiores empresas do mercado. Autora dos livros Atender bem dá lucro, Administração de recursos humanos em farmácia e Programa prático de marketing em farmácias, aqui ela dá algumas dicas de como atender bem – e melhorar a imagem de sua farmácia

De modo geral, você considera as farmácias brasileiras bem “paginadas”?
As das grandes redes e algumas lojas associativistas, franquias ou licenciadas, sim. Mas cerca de 55 mil farmácias e drogarias ainda precisam se adequar.

Como cliente, quando você se sente acolhida e visualmente bem orientada ao entrar numa farmácia? Quando se sente desconfortável?
Essas farmácias já adequadas já têm um formato que traz em si estudos e formas corretas de “conduzir” prazerosamente o cliente. Nestas, eu me sinto “em casa”. Em geral, iluminação, piso, quantidade e disposição de mercadorias são muito adequadas. O desconforto vem em farmácias abarrotadas de produtos, geralmente desconexos com as categorias que ocupam. Um exemplo: fraldas estocadas até o teto e uma poeira danada. A falta de iluminação e os pisos sujos, escuros e mal cuidados também me afastam.

Você acha importante que toda farmácia tenha sua identidade visual, independentemente de ser de rede ou pequena, de bairro?
A identidade visual é a forma de estabelecer a marca e de mostrar como ela quer ser vista pelo consumidor. Todas as farmácias devem querer ter uma identidade própria que os torne referência no bairro, cidade, ou local onde estão inseridas.

Numa região geográfica, com uma população predominante de terceira idade, justifica-se aplicar à loja um lay-out mais adequado a essa faixa etária, pensando-se no conforto e no fluxo dos idosos pela loja?
As farmácias devem agradar a todos os consumidores, visto que não há lojas apenas para idosos. Ótima iluminação, conforto térmico e pessoal bem treinado, corredores amplos são exigências da vida moderna para qualquer cliente. Para os idosos, mais ainda – até porque eles podem ser cadeirantes.

Do ponto de vista da iluminação e do fluxo dos clientes na loja, as soluções hoje adotadas são satisfatórias, na média? O que é preciso mudar?
Como disse antes, ótima iluminação é requisito básico para qualquer estabelecimento comercial. Para farmácias, nem se fala. As lâmpadas de Led vieram para ficar: são mais econômicas e duradouras, permitindo economia para os proprietários. Para os clientes, dão mais luminosidade e deixam a farmácia muito mais clara, passando a impressão de amplitude.

Tem-se notado uma irritante poluição visual e espacial em cima de boa parte dos balcões das farmácias – são os produtos de promoção, de compra por impulso, que eles atulham lá em cima, prejudicando muito o contato com o atendente. Isso se justifica?
O profissional de farmácia pensa que vai vender mais, poluindo o balcão. Doce engano. Os clientes detestam lojas abarrotadas, principalmente pilhas de produtos nos balcões de atendimento e no checkout. Os que estendem e praticam o equilíbrio entre exposição e atendimento vendem mais.

Na área dos caixas deve-se mesmo colocar tantos itens para “compras de última hora”?
É interessante colocar no caixa produtos de venda por impulso, mas sem poluir demais, pois, com o excesso de produtos, o cliente se confunde e não compra. É preciso entender que as filas em farmácia não são tão grandes como as das Lojas Americanas – que usam essa estratégia para fazer o cliente consumir por impulso enquanto ficam na fila. Para elas. a poluição se justifica; para as farmácias não.

Farmácia brasileira não tem vitrine externa. Deveria ter?
Não. O metro quadrado da área de exposição é cada vez mais caro. Por isso, não se justifica a presença de vitrines externas. É muito melhor utilizá-las como prateleiras–vitrines, como as da Drogaria São Paulo e Pacheco, onde há a possibilidade do uso vitrinismo, se desejado. De qualquer forma, essas exposições são chamativas e agradáveis aos clientes.

Alguma recomendação especial para a apresentação pessoal da equipe de atendentes, em termos de vestimentas ou detalhes de maquiagem e cabelo, no caso das mulheres?
Clientes gostam de ser atendidos por profissionais bem cuidados: mãos limpas e bem cuidadas, maquiagem discreta, barba feita, cabelos cortados para os homens, e presos para as mulheres, além de uniformes impecáveis, são requisitos básicos. O uso de camisetas polo ou camisetas enfeiam os atendentes e, depois de alguns meses, geralmente estão malcuidadas e mostram sinal de desleixo. Em varejo, tudo é imagem e cada detalhe conta.

Em sua visão, como expert e consumidora, quais são os erros imperdoáveis cometidos pela equipe de atendimento de uma farmácia, daqueles que afugentam o cliente de vez?

Por ordem do pior para o menos pior:

– Aparência mal cuidada
– Falta de cumprimento inicial, como bom dia, boa tarde, etc
– Falta de sorriso e simpatia verdadeira
– Verbalização com gírias, erros de concordância
– Falta de atenção para com o cliente
– Conversas paralelas entre os colegas de trabalho
– Indiferença
– Falta de atenção ao ouvir o que o cliente fala
– Demonstração de má vontade
– Falta de capacidade técnica ou de conhecimento sobre o produto ou serviço.

A importância do merchandising

Para fazer com que os clientes comprem mais e destacar-se em meio a tantos concorrentes, é indispensável fazer um bom merchandising. Sabemos que clientes são influenciados pela ambientação da loja e por seus funcionários e que pesquisas indicam que mais de 80% das compras é decidida por impulso. Somente a correta aplicação de boas técnicas de merchandising garante que a loja não perca oportunidades de vendas. Vejamos alguns aspectos importantes:

1 – A fachada deve permitir comunicação visual adequada, durante o dia e à noite, com excelente comunicação visual. Paredes, calçadas e parte externa devem estar limpas, sem adesivos de propaganda inúteis e bem cuidadas. A loja deve poder ser visualizada de forma que, do lado fora, se observe a maioria de sua exposição e arrumação.

2 – O layout deve permitir a circulação tranquila dos clientes e a visualização de toda a loja. Como o atendimento na maioria das lojas é do tipo misto, com autosserviço para alguns itens e assistido para outros, o layout deve privilegiar a área de autosserviço, melhor posicionada.

3 – Deve-se cuidar para que o cliente visualize o balcão de atendimento desde a entrada, de forma que, para alcançá-lo, ele tenha que passar por corredores entre as gôndolas ou equipamentos, estimulando a visualização dos produtos e a compra por impulso. Já não se usa mais o indesejável efeito labirinto ou o antigo “espinha de peixe”. É indispensável dispor as gôndolas de forma linear e simétrica.

4 – O piso, a iluminação e o conforto térmico devem ser muito cuidados, já que a farmácia é, em primeira instância, um estabelecimento de cuidados da saúde e bem-estar. Ela, portanto, deve demonstrar esse cuidado em tempo integral. Nada de cores muito fortes e excesso de sinalizadores visuais internamente, confundindo e escurecendo a farmácia.

5 – Os móveis dão impacto direto no layout. O melhor projeto é o que permite o máximo aproveitamento do espaço e a durabilidade do equipamento – que deve permitir a máxima mobilidade das prateleiras, bem como a utilização de acessórios como gancheiras e outros expositores em qualquer local, altura ou dimensão. A altura das gôndolas também deve ser cuidada, de forma a que todos possam ver a farmácia da entrada até o fundo. E que, por medida de segurança, os funcionários possam ver-se entre si, permitindo que, em caso de possíveis furtos, possam se comunicar e ajudar até com um olhar.

6 – A melhor localização do caixa privilegia o cliente e não o lojista. Se houver cadeiras para clientes se sentarem, tenha um ambiente associado à área do medicamento como um diferencial e com decoração mais atraente. Evite que o cliente veja pelo caminho: caixas vazias, estoques e material de limpeza esparramado pelo chão ou caminho.

7 – Quanto à exposição e apresentação adequada dos produtos, estes devem ser dispostos obedecendo a uma adequada gestão de categorias, preservando grupos ES ubgrupos. As frentes mínimas devem ser definidas de acordo com o giro dos produtos: quanto maior a venda, mais frentes o produto deve ter na gôndola. Os sazonais devem ser privilegiados com mais frentes e até pontos extras.

8 – As pontas de gôndolas são pontos nobres e permitem melhor visualização dos produtos, incentivando a compra por impulso, mesmo que não estejam com grandes descontos. Devem ser usadas para promoções com as datas festivas do comércio, épocas do ano e chamada para os produtos dos folhetos promocionais.

9 – Evite poluir o visual da loja com displays e expositores oferecidos pelos fornecedores. Só aceite se eles pagarem por isso.

10 – Faça o caixa perguntar: “O Sr. (a) encontrou tudo que desejava em nossa loja?”. Se fizer a pergunta, a funcionária deve anotar a resposta, na hora, à sua frente. A partir da resposta é possível tomar atitudes que evitem perda de venda no presente e no futuro.

 

Fonte: ABCFarma

Informações básicas auxiliam no uso correto de medicamentos

Durante o atendimento, o farmacêutico pode abordar os pontos mais importantes.

O controle do uso abusivo de medicamentos, sem orientação médica, é um dos papéis do farmacêutico. Durante o atendimento diário, é importante passar aos consumidores noções de cuidados com a saúde e dicas de como manusear e utilizar os medicamentos corretamente.

Confira seis pontos que devem ser repassados a respeito do uso adequado de medicamentos:

1. Somente o médico ou o farmacêutico podem oferecer as orientações corretas sobre um determinado medicamento. Não se deve usar medicamento aconselhado por conhecidos, pois o mesmo sintoma pode não significar a mesma doença.

2. A automedicação, principalmente com antibióticos e psicotrópicos, deve ser evitada. No caso dos antibióticos, o uso incorreto no que diz respeito à dosagem e aos horários pode causar resistência à medicação durante o tratamento. Já o uso abusivo de psicotrópicos, pode levar à dependência química, além de severos efeitos colaterais.

3. Outro alerta importante é sobre as condições de saúde em que o paciente se encontra. É importante informar o médico ou o farmacêutico sobre as condições gerais de saúde, como gravidez, amamentação, alergias a medicações. O paciente também deve informar todos os medicamentos que estiver utilizando e se algum já lhe causou problemas como dor no estômago, enjoo, tontura, vermelhidão na pele, entre outros.

4. A forma adequada e segura de guardar os medicamentos também deve ser seguida corretamente. É preciso mantê-los num armário fechado, longe do alcance de crianças e animais, protegidos da luz e umidade.

5. É preciso atenção redobrada ao medicar crianças, pois nem todo medicamento indicado por adulto pode ser usado por elas.

6. Medicamentos não devem ser ingeridos na posição deitada e nunca com refrigerante, chá, café ou bebidas quentes. Sempre com água.